sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Aos Visitantes

Mais um findi chegou!
Quero agradecer a todos os visitantes desta semana que passou num piscar de olhos e dar as boas vindas aos nossos novos seguidores: Ana Claudia Esquerdo e Luíz Valcário. Nosso muito obrigado a todos \o/

Cristina & Mária
Almas Tatuadas
Aquela felicitação foi um feitiço, palavras cabalísticas, cabe a você, Cris, escolher o que de bom você quer que aconteça. Foi um presente de fada-madrinha :D
O meu mundo mágico é meio bagunçado, mas espero que você sinta-se a vontade.
A intenção ao postar apenas fragmentos da fic aqui no blog é pra dar vontade de ler o resto lá no Fiction Press, mesmo. Os capítulos são grandes para se postar aqui e acho que fica muito feio, deixando o blog pesado. Lá fica mais concentrando, além de ser um site feito para isso.
Eu amo desenho e isso é inversamente proporcional ao meu talento para desenhar rs Então busco na net imagens lindas e que combinem com aquilo que imagino para a fic, embora o que eu faça seja algo feio (pegar as coisas dos outros emprestadas sem pedir XDD). Eles são para isso mesmo, para auxiliar a se conduzir para a história.
A minha intenção é mostrar o quanto Yashalom pode vir a ser poderosa, mas não sei se consigo kkkk já são mais de 100 páginas e ainda não aconteceu nada de emocionante!
Bjus, linda!
Obrigado pela leitura e comentários =]

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Aos Visitantes



Faz tempo que não apareço para responder e agradecer às visitas, comentários e aos novos seguidores do Hybrida. O meu Off é um figura, às vezes plana em outros mundos e deixa de lado a melhor parte de sua existência: EU! E isso quer dizer o quê? Nada de postagens, nada de orkuts, nada de novos capítulos. É o mal do ariano: um ser inconstante.
Então forcei um pouco a barra para poder me manifestar e dar as devidas satisfações a quem merece, isto é, a VOCÊ! Mas, ainda não haverá novos capítulos... o Off, o Ego Titular, não quer emprestar o seu corpo para a digitação do meu romance e, sem ele, não posso fazer nada para me manifestar, já que ele é meu instrumento.
Bem, enfim...

Cristina e Márcia
Eu é quem agradeço por vir até aqui me seguir (rs) e ainda por cima ler a história :) Espero que tenha gostado o suficiente para ler os demais capítulos.
E obrigado também pelo estímulo! Fazer parte de algo, de uma tribo é muito agradável!
Bjus!

Maria Claudia Müller
É, não saio escrevendo loucamente o que me vem à cabeça, como deve parecer (rsrs, já é a segunda vez que me falam isso XD), sempre dou uma pesquisada, sempre uso o dicionário. Eu gosto de levar as coisas que faço a sério, mesmo que seja uma bobeira como um conto. Eu cheguei a visitar o seu blog, mas perdi o link (não aparece mais no seu perfil) e não pude me linkar a ele. Se puder deixar o endereço aqui postado, eu agradeço :) E eu acho que não se usa a craseado antes de promomes, mas não tenho certeza! Preciso da minha professora Didi!!
Bjus!

Diego
Nenhum dos meus personagens são elfos, embora eu tenha usado a imagem de um. São demônios e eles também têm as orelhas pontudas rs

Meus agradecimentos aos seguidores:
Carolz' - Cristina & Márcia - Rika - Maria Claudia Müller - Duda Falcão - Anafonseca - Jossi Slavi - Amor & Livros - Aline Heloise Martins - *Aramati* - Diego Henrique - Manuella - Andy *.* - Marcelly Monteiro - Luiz Dreamhope
Afinal, aqui só seguem os bons :D

sábado, 5 de setembro de 2009

Sobre o roubo de Asas Negras

A ripagem que foi feita da minha série Asas Negras e publicada no site Nyah! Fanfiction, foi devidamente removida pela moderadora do site, Anne L.
Meus sinceros agradecimentos à todas amigas e aos amigos que me apoiaram, denunciando a ripagem ou se indignando com o ocorrido. E meus sinceros agradecimentos também à administração do site, que resolveu o problema em menos de 24 horas após as denúncias.

Não direi que estou aborrecido, indignado ou irritado com o ocorrido, pois, na verdade, não estou e não fiquei. Apenas acho lamentável que tal coisa ocorra. É lamentável que haja pessoas tão ingênuas para fazerem isso.
Não acredito que isso tenha sido feito com o propósito de me prejudicar; provavelmente a pessoa nem tenha muita noção da minha existência. Sei que não foi pessoal, não foi para me atingir. Também acredito que a ingenuidade da pessoa a leve pensar que, em se tratando de um texto publicado na Internet e sem um pseudônimo normal (já que "Snake Eye's" não é nome de gente) este trabalho e o seu autor não tenham os seus direitos assegurados.
Bem, todo o direito intelectual de uma obra é assegurada ao seu autor, mesmo que esta não esteja devidamente registrada nos órgãos competentes a isso. Aliás, essa coisa de dizer que tal obra, somente por não estar registrada em cartório ou na BN, está isenta de direitos é conversa fiada para que os devidos órgãos arrecadem as contribuições dos autores. Não é porque eu não registrei a minha obra que eu não tenho direitos e propriedade sobre ela. Isso é absurdo por ser irracional, porém não é impossível, visto que vivemos num país de absurdos e irracionalidades.
Por ora, o ocorrido foi apenas uma criancisse, uma ingenuidade de alguém que gostou tanto da fic que resolveu se apropriar dela, embora eu não entenda qual a vantagem é receber comentários a respeito de algo que não foi feito por ele. Mas, enfim, cada um com sua vaidade. A minha é continuar a publicar na internet, mesmo sem a segurança de um registro na BN (que NÃO garante que alguém não venha a plagiar, claro) e esperar pelos comentários a que tenho direito de recebe de fato.
E à pessoinha que fez isso, espero que aprenda que apropriar-se das coisas alheias é feio, além de ser crime previsto na Lei. E aprenda que se uma história foi escrita, é porque isso é possível de ser feito por quem quer que seja. Ninguém aqui é gênio, nem original, menos ainda especial por qualquer coisa que seja.
Escrever, para mim, sempre foi um grande prazer, desde criança. A minha motivação para ter aprendido a ler foi a de eu próprio poder criar as minhas historinhas, como as que eu via nos gibis da Turma da Mônica. Eu tinha 8 anos quando comecei a rabiscar coisas do tipo. Hoje tenho 33. Em poucos anos entrarei na meia-idade. Escrever não é simples robby, o que, aliás, odeio tal termo e designação. Hobby é coisa de gente desocupada, com a vida ganha. Não escrevo quando há horas vagas, porque alguém na minha situação não possui horas vagas. Para poder escrever, eu abro mão de outras coisas, deixo algumas obrigações de lado, e sou cara-de-pau o suficiente para assumir que deixo certas obrigações de lado que poderiam me render uma justa causa no trabalho. Eu crio o meu tempo para fazer isso, correndo risco, arriscando uma coisa real e necessária para a minha sobrevivência em prol da minha necessidade de fuga da realidade, da minha necessidade de encontrar um algo a mais neste mundo que tenho como enfadonho e expiatório. Eu escrevo para me sentir um algo a mais, porque eu odeio a minha vida tal qual ela é e não consigo mudar por mais que o tente, pois, por mais que a mídia passe ideias de que para conseguir basta querer, não vivemos sozinhos no mundo e muitos dos nossos sonhos e das nossas vontades são relegadas a segundos-planos que jamais chegarão, e muito das nossas lutas são em vão. Nem tudo depende de nós para mudar. Há coisas impossível de mudança. Somos escravos de N coisas. Culpa nossa? Culpa do sistema? Talvez de ambos.
Portanto, escrevo, sim, para satisfazer o meu ego, para fugir da minha vida imposta, para fantasiar uma realidade diferente, uma realidade que não está ao meu alcance. Mas também escrevo para quem quiser ler. Escrevo, também, na pretenção de alegrar um coração cansado e desiludido como o meu, que sente necessidade de fuga da realidade por uns instantes, ao menos. Não quero o bem apenas para mim, quero também para quem quiser chegar junto e ficar por perto.
Sou um leitor, uma pessoa comum e até mesmo abaixo do banal. Sou um leitor que escreve para leitores, de preferência que não sejam muito exigentes, pois não tenho muito para oferecer.
Obrigado a todos, por tudo. E obrigado, também, à pessoinha que gostou tanto assim de Asas Negras (isso não deixou de ser um elogio). Obrigado.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

ALERTA SOBRE ROUBO DE ASAS NEGRAS

Asas Negras está fazendo tanto "sucesso" que tem até gente se apoderando da fic e postando como sua no site Nyah Fanfiction: veja o link: http://fanfiction.nyah.com.br/historia/39410/Asas_Negras
Me diga o que faço com uma criança dessas?!

Aos Visitantes

Final de semana prolongado, como todo bom peão que acorda todos os dias de madrugada para encarar um novo dia de trampo reza a Deus!
Que o seu Findão seja prazeroso, que você recarregue suas boas energias e descanse a mente.
E se for ficar em casa, aproveite para ler a atualização de Asas Negras, claro ;]~

Capítulo 17 - Lembranças
www.fictionpress.com/s/2636259/17/Asas_Negras

Pequenos Trechos:

"No instante seguinte, tudo o que Sarah viu foi um enorme clarão de luz a invadir seus olhos e mente, cegando-a e deixando-a entorpecida. Porém, fora tudo muito rápido, quase tão rápido quanto a luz que se projetou da palma de Wojtyla."

"― O que mais admiro em você é essa sua capacidade de ver alegria em coisas tão pequenas... – Mariellen não estava sozinha naquele riacho. Sentado sobre uma pedra limosa, à margem do rio, estava um rapaz de cabelos negros semi-longos meio presos para atrás por uma tira de camurça, enquanto o restante caia solto por seus ombros. Ele trajava túnica e calças rústicas. As mangas da túnica estavam enroladas até a altura do cotovelo, deixando aparecer nos dois antebraços tatuagens tribais idênticas, tendo o mesmo símbolo tatuado em sua testa."

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Terras do Mundo Místico - Fogo & Grande Deserto

Terras do Fogo

Guardião: ?
Vulcões existem por todo o Mundo Místico. Uns já inteiramente inativos há milhares de anos, como os das Terras do Sul, onde hoje estão as maiores áreas florestais; outros, apenas adormecidos, como os do País de Gelo e, algumas vezes, entram em erupção. Porém, existe uma faixa de terras onde há maior incidência de vulcões, alguns em constante atividade, e é chamada de Terras do Fogo.
Não é um país inóspito, como possa parecer. Há uma população proporcionalmente grande que sobrevive da agricultura, sendo que os solos cultiváveis são riquíssimos, e da forja do metal, sendo que os melhores ferreiros do mundo são os Filhos do Fogo.
A terra é rica em minérios e metais, e suas lagoas e termas são consideradas curativas, atraíndo filhos de outras terras que pagam um alto preço para se banharem em suas águas, sendo um negócio lucrativo para as comunidades mais próximas das montanhas, onde estão localizadas tais lagoas sulforosas e termas.
Possue extensos campos de girassóis e diversas espécies de ervilhas, que não proporcionam apenas a principal alimentação do povo, mas uma beleza ímpar.
Apesar do perigo iminente de uma catástrofe, seu povo aprendeu a conviver com os vulcões e os contanstantes tremores de terra.
Por conta da netureza severa do ambiente, os Filhos do Fogo são o povo de aspecto mais rude, sendo os seus indivíduos seres de constiuição grande e forte, de pele mais grossa e de cor castanha e, geralmente, não possuem pelos no corpo, nem cabelos e, quando os possuem, são crespos e escuros.
São marciais, aparentando sempre estarem prontos para uma guerra. Crianças que nascem debilitadas ou com alguma deficiência que as tornem incapazes para toda a vida, são devolvidas à Deusa Peleé através de um ritual em que a vítima é sacrificada de forma rápida e indolor. O que para outros povos possa parecer de extrema crueldade, é de real necessidade de sobrevivência para o Povo do Fogo, pois, para eles, alguém que não possa se defender por si mesmo das forças da natureza, pode não matar apenas a si mesmo, mas toda a sua família, por isso os laços afetivos devem ser rompidos logo ao nascer da cria incapaz.
Cultuam um panteão de deuses ligados ao fogo, aos vulcões, às águas quentes e ao subterrâneo. Esses deuses são encabeçados por uma deusa-criadora, como a Grande-Mãe dos Filhos das Terras Altas. Seu nome é Peleé, deusa do fogo e dos vulcões. (Para saber mais, leia: Wikipedia; Deusa Pele).
As cores predominantes são o vermelho e laranja.

Terras do Grande Deserto

Sua área é constutuída de rocha, areia e minerais granulados pela constante ação dos ventos, causando as erosões nas montanhas de pedras. Inicia-se após o Deserto de Gelo das Terras do Norte, a região mais fria e inóspita do mundo e se extende até encontrar o oceano a Nordeste e as Terras do Fogo ao Este, fazendo-lhe fronteira e tendo vários atritos entre eles ao longo da História do Mundo Místico.
As Terras do Grande Deserto são naturalmente amistosas às Terras do Norte. Segundo lendas, os Filhos do Frio, que não suportavam mais o Grande Inverno que arrasou a civilização antiga do Norte, fugiram para o Nordeste, onde o sol beijava a terra e a aquecia. Encontrando calor, por lá ficaram e formaram uniões que se expandiram até formar o Povo do Deserto. A escasses de alimentos e água não foi um grande impencilho, pois tais Filhos do Frio haviam aprendido a sobreviver com muito pouco por conta do cataclismo que dizimou a antiga civilização.
Proporcionalmente, é a segunda civilização com menor demografia. Seu povo tem a pele morena pelo sol, cabelos e olhos negros, mas alguns nascem com resquícios de Filhos do Frio, fazendo um contraste exótico de pele quase negra com cabelos brancos e olhos claros.
As cidades se aglomeram em torno de oasis que, ao contrário do restante da terra, são solos ricos e férteis, com grandes mananciais de águas subterrâneas. Porém, entre uma cidade e outra há grande distância e muitos Filhos do Deserto passam a vida como nômades, perambulando de uma cidade à outra para levar mercadorias e suprimentos. E nem todos vivem em cidades. Há uma raça que vive em pleno deserto e, dizem, são capazes de sobreviverem sem água, retirando o mínimo necessário da vegetação rasteira e ressequida que cresce às sombras dos montes de pedra e de dunas. Essa raça, tal qual a vegetação que lhes garante sobrevivência, tem a aparência raquítica e ressecada, porém são forte e resistentes.
Não é um povo religioso. A vida difícil a que esse povo está relegada o mantém muito ligado à terra, à matéria e sobreviver oculpa toda parte de seus dias, não sobrando espaço para contemplações do espírito
A cor predominte é o ocre, que é representado desde as suas vestimentas até nos objetos que produzem.
Para saber mais sobre deserto, acesse: http://pt.wikipedia.org/wiki/Deserto

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Terras do Mundo Místico - Altas & Mar

Terras Altas
(em gaélico escocês, Sgìre Comhairle na Gàidhealtachd)
Guardiã: Cailleach (baseada na Deusa Cailleach*)
Dentre os países continentais, as Terras Altas são as que possuem melhor defesa territorial, devido a sua geografia. Localizada numa cadeia de montanhas de picos com mais de 5 mil metros de altitude, entre as Terras do Sul e do Norte, possui muitos vales ocultos e grandes lagos e cachoeiras. A intensa floresta de árvores milenares guarda os principais acessos aos condados, sendo que em algumas áreas de montanha haja apenas rochas e vegetação rasteira. A região é protegida por magia antiga que, segundo lendas, está atuante desde os princípios dos tempos, quando o Mundo Místico foi criado.
Possui as quatro estações, sendo que o Verão é curto e ameno e o Inverno é semi-rigoroso na maior parte da terra, exceto nos maiores picos das cordilheiras, onde
a estação reina durante todo o ano.
É uma terra de estrutura matriarcal. As mulheres, geralmente, chefiam as famílias e é tradição que a Guarda das Terras Altas fique nas mãos delas. O seu conselho de ansiãos, o Presbitério, é composto quase exclusivamente por mulheres, sendo elas a maioria.
Diferente das tribos matriarcais que existem em todo o mundo, os homens fazem parte da sociedade e, em alguns casos, dividindo o poder e deveres em pé de igualdade.
Os Filhos das Terras Altas são um povo festivo, alegre e religioso. Cultuam um panteão de deusas que são encabeçadas pela Grande Mãe, a Geradora da Vida, que governa juntamente com o seu consorte, o Deus-Sol, que propicia a formação da Vida. (Ver sobre "religião antiga de culto à Deusa" - sugestão: Casa do Bruxo*, O Culto à Deusa Mãe*)
Usam a música em todas as ocasiões da vida em comunidade, desde a celebração de um nascimento até à convocação de guerra. Dentre todos os povos do Mundo Místico, são os que mais têm contato direto com os elementos da Natureza.
Porém, não são hospitaleiros como possa parecer por conta de seu temperamento gentil. São esquivos com outras civilizações, não se intrometendo com a política externa, salvo raras excessões, como foi no caso da Guerra das 4 Terras, em que se posicionaram veemente contra a política invasiva de Imãm, ao darem asilo político ao Guardião deposto, Karol.
Terras Altas é baseada nas Áreas de Conselho das Highlanders*, Escócia.
A cor predominante é o amarelo, devido a coloração outonal das florestas e pela incidência da luz solar sobre suas montanhas.

Terras do Mar
As Terras do Mar abrangem todas as ilhas oceânicas do Mundo Místico e é a única unidade administrativa que não possui um Guardião de Terras, pois seria impossível que um único guarda zelasse por todas as ilhas. Porém, apenas 1/5 das ilhas são habitadas por seres racionais, geralmente as que ficam mais próximas das terras continentais, as chamadas 'ilhas continentais'. Sendo assim, cada ilha possui seu Regente, que é submetido ao Presbitério das Terras do Mar.
A diversidade de geografia, fauna e flora é grande, de acordo com a localidade da ilha, que se extende desde o Sul até o Norte. Há ilhas em que o Inverno é tão rigoroso que até a água do mar próxima à costa congela, e há as que o Verão predomina o ano inteiro.
Igualmente é diversificada sua religiosidade, mas todas têm em comum deidades ligadas às águas e cultuam um panteão com cerca de 600 elementais, encabeçado por Yemoja*, Deusa das Águas, criadora dos mares e rios.
De acordo com sua extensão, há ilhas que comportam apenas uma tribo e são auto-sustentáveis. Há outras que comportam verdadeiras cidades costeiras. Nessas, os seus habitantes oculpam-se do comércio exterior, produzindo e exportando bens e alimentos.
Muitas tribos matriarcais (onde só habitam mulheres) se localizam em ilhas, como foi o caso de Mitra, esposa de Imãm, que habitava uma ilha do sul, onde as mulheres eram treinadas em armas e habilitadas em magia.
As cores predominantes são o azul e o verde, as cores do mar.

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sanka - In Memoriam

Sanka - In Memoriam
02/04/1998 - 20/09/2011