domingo, 27 de fevereiro de 2011

Meu Primeiro Livro-solo: Contos Sem Classe, Textos Sem Curso.

Eis que finalmente crio coragem e resolvo mandar para o Clube de Autores o meu primeiro livrinho solo: uma coletânea de contos feitos para diversos concursos literários em que participei no ano passado, mas que, obviamente, não foram contemplados.
São, ao todo, 10 contos que passam pelas várias vertentes da literatura ficcional, desde a ficção realista até ficção científica.
Prefácio da escritora Jossi Borges, que leu e revisou a obra e, ainda por cima, teceu altos elogios (afinal, amigo é para essas coisas, rs).
Veja o livro na página do Clube de Autores e, se gostar, vc já sabe, rs...

Informações técnicas:
Número de páginas: 86
Peso: 176 gramas
Edição: 1(2011)
Acabamento da capa: Papel Couché 300g/m², 4x0, laminação fosca.
Acabamento do miolo: Papel offset 75g/m², 1x1, cadernos grampeados, A5, Preto e Branco.
Formato: Médio (140x210mm), brochura com orelhas. 
Valor: R$ 25,83 (com zero de direitos autorais, para não encarecer ainda mais... dose!!)

Prefácio de Jossi Borges:
Dentro de uma seleção de contos tão variada, podemos sentir, de forma soberba, o estilo colorido e luminoso de Snake Eye’s. Em todos os seus trabalhos flutua de maneira quase palpável uma névoa delicada de lirismo, poesia e sentimentos, que se entrelaçam e dão relevo a cada linha e palavra, transformando seus contos, narrativas e mini-contos em viagens oníricas onde nossos corações são dominados e sujeitados à beleza das emoções. E são diversas essas emoções, são diversos os sentimentos, mas predominando sempre a emoção suscitada pelo inusitado e pelo original. Alegria, curiosidade, romantismo, lirismo, suspense, ternura, adrenalina. Não é fácil analisar a obra de Snake; não se pode resumir o que cada conto nos transmite, exceto se usarmos a palavra “emoção” como sinônimo de fantasia-magia-amor, como se essas três palavras fossem uma única. 
Nesse belo trabalho, que reúne diversos temas nos quais ela tem trabalhado nos últimos meses – e que eu posso me gabar de conhecer, já que tenho o privilégio de ter lido muitos deles – temos exemplos perfeitos do que foi dito acima. Amor, lirismo e sensibilidade afloram no conto Amores Platônicos, onde ela descreve o amor não consumado como uma espécie de lição para os jovens e adultos que se deixam atrelar às convenções sociais estéreis. Gaiola Dourada, Morte Antiquada e Fogueira de São João e Seu Antônio tem o mesmo toque lírico, em que o amor, em qualquer de suas formas, é enaltecido, seja o amor pela vida, liberdade e natureza (Gaiola Dourada), o amor pelo trabalho e pelos objetos de valor afetivo (Morte Antiquada) e o amor pela família (Fogueira de São João e Seu Antônio). 
O terror, gênero tão difundido e bem aceito, tem seu representante nesta coletânea, com os contos Demônios nas Sombras, Espuma Branca em Céu Azul e Vovô Coveiro. No primeiro, o suspense que cativa o leitor, um estremecimento de medo a cada linha, onde o impensável pode acontecer, e de fato, acontece. Espuma Branca em Céu Azul tem o tom poético entremeado de sugestivas impressões que levam o leitor, lentamente, ao desenlace súbito e assustador, mas de certa forma, muito realista. Vovô Coveiro é um mini-conto onde o terror nada tem de sobrenatural, mostrando uma dura realidade de nosso dia a dia. A ficção científica de Snake em seu representante no excelente conto Do Pó ao Pó. Uma maneira original de mostrar a FC brasileira, Snake inspirou-se nos mangás e na literatura japonesa de ficção, criando mundos pós ou pré-apocalípticos, onde a ciência e a magia se mesclam. 
Em sua tríade Metamorfoses, a magia sobrenatural está presente, bem como o Amor, novamente representado em três formas distintas e igualmente belas: Casulo & Mortalha, o amor à natureza e o esplendor da vida que renasce nas asas da borboleta e do anjo; Momento Efêmero, o amor adolescente pela magia do mundo das fadas e entes sobrenaturais; e finalmente, em Crianças de Deus, o amor aos animais, representados pelos pombos, tão injustamente maltratados pelo seres humanos.
Foi um grande prazer ler essa coletânea de Snake, e um privilégio ser a sua prefaciadora. E, tenho certeza, ninguém ficará indiferente a tantas manifestações distintas das emoções mais profundas do coração humano, presentes nos belos contos aqui escritos.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Capítulo inédito: Prólogo


Eu sou um defunto que se recusa a deitar no caixão, embora essa apatia tente me matar a todo instante. Mas acho que desta vez vai! Quer dizer, não eu que vou pra cova logo de uma vez, mas que essa fase deprimente vai passar e eu finalmente poderei trazer de volta ao público minhas tralhas, inclusive essa daqui, a Asas Negras.

Ainda se lembra?

Um belo dia (belo nada! foi é sacana mesmo!), um fulano gostou tanto, mas tanto de AN que resolveu plagiar! Copiou os 3 primeiros capítulos no FictionPress e publicou como sendo de sua autoria no site Nyah Fanfictions. Uma leitora, contato meu do orkut, achou muito estranho isso e me alertou. Não fosse por ela, esse tal fulaninho plagiador, Aioka (ou coisa que o valha) teria plagiado meu trabalho inteiro e talvez eu jamais percebesse - pois que não me ligava nessas coisas e, ingenuamente, acreditava que ninguém faria isso. O lado bom é saber que a história agradou tanto que o leitor chegou a esse ponto. As denúncias foram feitas, muitas graças aos membros da comunidade orkutiana "Autores Contra O Plágio", e os administradores do site retiram a fic do ar.

Então, tudo certo? Com, pelo menos, uma das partes feliz?

Não.

Isso acabou se tornando um veneno de ação lenta, por mais que eu tivesse tentado manter o otimismo. Sem contar que outros fatores influenciaram e muito nessa minha hibernação criativa.

O importante é saber que, mesmo depois de ter passado mais de um ano, eu não desisti do projeto. E talvez nem conseguisse, mesmo que quisesse. Esse projeto de Hybrida foi concebido em 1997 e, mais de 10 anos depois, eu ainda tive a petulância de ressussitá-lo, mas desta vez dando-lhe uma roupagem literária (já que o projeto inicial era de uma história em quadrinhos).

Voltando ao que comentava no início do tópico, creio que agora essa carroça finalmente sairá do lamaçal e tornará a rodar pela estrada. Se nenhuma catástrofe a mais acontecer na minha vidinha pessoal, creio que dentro de dois ou três meses poderei trazer de volta ao público, isto é, de volta a vocês, a série Hybrida, ou melhor, o romance Asas Negras e, o que será muito bom, finalizado.

Por ora, estou disponibilizando um capítulo inédito, embora ele seja o primeiro capítulo, o prólogo. Um capítulo que serve de alavanca para a trama, pois ele realmente faltava, deixando o verdadeiro primeiro capítulo ainda mais sem graça do que ele é realmente. Passa-se 16 anos antes do tempo presente de AN. Realmente, espero que goste e que ele lhe desperte o interesse de ler o restante.

Assim que eu terminar a revisão de toda a história, pretendo enviá-la para a Clube de Autores e, se alguém quiser, poderá ter a versão impressa - que dará um livrinho bem gordo, rs.


E obrigado por toda essa paciência!

Meu abraço!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sanka - In Memoriam

Sanka - In Memoriam
02/04/1998 - 20/09/2011